sub som

OUVIMOS: Calexico – Carried to Dust

Posted in álbum, música by Gabriel Paiva on 17 setembro, 2008

Calexico – “Carried to Dust”
Nota: 5 / 5

Depois de lançado e ouvido à exaustão, Carried To Dust, o novo álbum do Calexico, felizmente surpreendeu muita gente. Depois do ótimo-mas-subestimado Garden Ruin, as previsões da crítica especializada foram, obviamente, apocalípticas. Carried To Dust reúne todas as qualidades do duo tucsoniano, em todas as suas sutis metamorfoses. Sentimental, confortável de se ouvir, até minha vó gosta.

“Victor Jara’s Hands”, faixa que abre o disco, é um tributo ao poeta, músico e ativista político chileno que foi assassinado em 1973. Abre o disco com classe, repleta de trompetes mariachis e riffs estilizados. O mais bacana é a participação, em espanhol, de Jairo Zavala, da banda (espanhola) Depedro, que manda um belíssimo “Me siento solo y perdido/Una vela alumbra mi camino/Cruzando tierras que nunca he visto/Cruzando el rio de mi destino/Solo soy un chico mas/Que sueña en alto y mirando al mar”.

O pop pensativo, cheio de sussurros, que a banda entregou com Garden Ruin, está fortemente presente em Carried to Dust, porém com uma diferença: até os momentos mais quietos do álbum são vívidos, ao contrário do anterior, que demorava um bocado até deixar seu charme ressoar aos nossos ouvidos. “House of Valparaiso”, com participação de Sam Beam, do Iron & Wine, “Writer’s Minor Holiday” e “Slowness” são as faixas que mais se aproximam do álbum anterior, sendo que essa última se aproxima muito de um dueto country (!!), daqueles bem bregas, de vilarejos de beira de estrada do Arizona. Lindo.

Talvez um dos momentos mais surpreendentes do álbum seja “Two Silver Trees”, a segunda faixa: mescla, com sutileza, elementos latinos e asiáticos. Calexico é assim: combina o guizeng chinês, o cuatro venezuelano e o Omnichord da Suzuki na mesma música de forma totalmente natural.

Carried to Dust ainda tem momentos subtos de nova inspiração, como “Bend in the Road”, que é um southwestern jazz de primeira e “Contention City”, que conta com a participação de Doug McCombs, do Tortoise. Contention City é linda, mescla de “piano de brinquedo” com elementos eletrônicos, trazendo um grand finale cheio de glamour, transformando Carried to Dust no álbum mais equilibrado, maduro e dramático da banda, e um dos melhores do ano.

Anúncios

3 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Mayk. said, on 18 setembro, 2008 at 0:46

    “Victor Jara’s Hands”: música linda. Linda!

  2. Gabriel Paiva said, on 18 setembro, 2008 at 11:52

    Também acho =)

  3. Vinicius Correia said, on 18 setembro, 2008 at 22:05

    achei bom, mas longe do feast of wire


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: