sub som

Fãs pagam cachê de Belle & Sebastian no Rio

Posted in show by Felipe Leal on 22 setembro, 2010

Depois de Miike Snow, Belle & Sebastian. Em pouco mais de 28 horas, os 280 ingressos (a R$ 200 cada) que podem garantir o show da banda escocesa no Rio evaporaram, e os R$ 56 mil necessários para cobrir o cachê do grupo foram arrecadados. O entusiasmo do grupo de pessoas que trouxe os suecos do Miike Snow para o Circo Voador há dois dias se repetiu e o retorno do Belle & Sebastian a palcos cariocas, depois de nove anos, só depende da assinatura de um contrato.

Razões para explicar tamanha eficiência e rapidez na venda são muitas: o entusiasmo dos fãs; o sucesso de público e organização do show da última segunda-feira; as facilidades do processo de compra dos ingressos, via Pay Pal; a carência de bons shows internacionais no Rio; e o apoio de parceiros como o Multishow (que comprou 80 cotas) e as agências SRCOM (20) e Click Isobar (40).

Melhor ainda, os fãs que contribuíram com o projeto poderão assistir ao show de graça. A mobilização do público carioca foi tanta que a expectativa é de casa cheia para o dia 12/11, no mesmo Circo Voador – e, arrisco dizer, os ingressos devem esgotar antecipadamente. Mais uma vez, a mobilização carioca foi notável e, com a mesma seriedade vista nesses dois exemplos de sucesso, a tendência é que o Rio possa voltar a fazer parte da agenda de shows internacionais. Os organizadores da empreitada, como se pode ver no Urbe, já criaram uma conta no Twitter, o Queremos, para futuras campanhas de shows na cidade. A ideia é ficar atento e colaborar. Enquanto isso, não custa nada sentir orgulho desse mosaico cheio, né?

Fotógrafo retrata músicos momentos após shows

Posted in música by Felipe Leal on 3 agosto, 2008

Eels Pynoo, da Vive La Fête, exausta, fumando um cigarro

Você vai lá, paga seu ingresso, assiste o show, toma sua cerveja e vai para casa (ou não). Mas e quem estava tocando ali em cima, no palco? Como ficam no pós show? Pensando nisso, o fotógrafo suíço Matthias Willi desenvolve um projeto em que fotografa artistas famosos depois de suas apresentações, tentando mostrar um lado pouco conhecido dos músicos.

Intitulada “The Moment After Show” (O momento depois do show, em português), a série começou em 2005 e já reúne imagens de integrantes de Muse, Metallica, Kooks e várias outras. Em entrevista à BBC Brasil, ele contou que a idéia surgiu totalmente por acaso.

“Tinha que fazer um retrato da Juliette Lewis para uma revista suíça. Tinha muita coisa para fazer no dia e acabei tendo que fazer a foto depois do show. Quando olhei as fotos percebi que nunca vemos os astros do rock daquela forma. Quando mostrei as fotos para a Juliette, ela concordou e disse ‘essa é a forma de mostrar como realmente somos” contou o fotógrafo.

Iggy Pop no pós-show

Segundo ele, a maior dificuldade da criativa empreitada é convencer os empresários e os próprios músicos para as fotos no pós-show. “Eu entendo porque é um momento muito íntimo. Eu acho que a maioria deles só precisa de alguns minutos para se acalmar, serem eles mesmos, sem pose e longe do público e das câmeras”, comentou à BBC. Ele explica ainda que a maioria dos roqueiros que entrevistou ficou “fascinada pela idéia”.

Em seu site oficial, Willi explica que quando os músicos estão no camarim, exaustos, molhados de suor, eles estão com a guarda baixa. “Eu tive que aproveitar para fotografá-los rapidamente, antes que eles assumissem um personagem novamente”, explica. Iggy Pop, um dos retratados, lhe disse: “you got thirty fucking seconds…”

Além do The Moment After Show, Willi desenvolve outros projeto em que fotografa crianças vestidas como ídolos do rock, catálogos de moda, paisagens e experimentos visuais. Talento é o que não falta.

Winehouse pede libertação de marido em show

Posted in show by Felipe Leal on 28 junho, 2008

A cantora e eventualmente problemática Amy Winehouse pediu a libertação de seu marido, atualmente em uma prisão britânica, durante um grande show realizado na sexta-feira em homenagem aos 90 anos do ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela.

Winehouse incluiu a frase “Free Blakey, my fella” (Libertem Blakey, meu homem) no final da canção “Free Nelson Mandela” (Libertem Nelson Mandela), composta por Jerry Dammers para protestar contra o encarceramento do defensor dos direitos humanos sul-africano.

Além da música hino do movimento contra o Apartheid, Winehouse cantou “Rehab” e “Valerie” e recebeu intermináveis aplausos da platéia. Seu marido, Blake Fielder-Civil, de 26 anos, está atualmente na prisão à espera de um julgamento por obstrução à Justiça. Pouco antes do show em homenagem a Mandela, no Hyde Park, em Londres, a cantora ficou internada por um curto período de tempo em função de um desmaio. O pai de Winehouse revelou que ela só tinha 70% de capacidade pulmonar.

O mais incrível é que Amy estava com uma aparência “saudável”. A banda que a acompanhou, Soweto Gospel Choir, é muito boa. Queen, Simple Minds, Sugarcubes, Leona Lewis e outros também participaram da homenagem. Vocês conferem a Winehouse no vídeo:

Nine Inch Nails confirma shows no Brasil

Posted in show by Felipe Leal on 28 junho, 2008

(Tárcio Fonseca, especial para o Subsom)

O Nine Inch Nails confirmou em seu site oficial que o Brasil receberá dois shows da turnê Lights in the Sky neste segundo semestre. Serão duas datas, 7 e 9 de outubro, respectivamente em São Paulo, no Via Funchal, e em Porto Alegre, no festival Pepsi on the Stage.

Recentemente o Nine Inch Nails seguiu os moldes do Radiohead e lançou direta e gratuitamente na web um novo álbum (The Slip) que pode ser baixado no site oficial da banda em qualidades de áudio que superam até a do CD tradicional.

Antes deste disco, o grupo do músico e produtor Trent Reznor já havia feito algo parecido, deixando disponível para download a primeira parte das quatro de Ghosts I – IV, seu trabalho mais experimental até o momento.

A última passagem do Nine Inch Nails pelo Brasil foi em 2005 no festival Claro que é Rock. Na ocasião, a banda fretou um avião e trouxe 25 toneladas de equipamentos que criaram uma estrutura de palco repleta de luzes e efeitos visuais sofisticados.

Confirmado!… pero no mucho

Posted in música by Bruno Boghossian on 25 junho, 2008

A galera indie rock do meu Brasil com certeza se lembra que Broken Social Scene, Futureheads e Vampire Weekend estavam confirmados para apresentações no Rio de Janeiro e em São Paulo, no fim de agosto, no Indie Rock Festival. Segundo consta, a informação apareceu primeiro no Pollstar, (site-deus que reúne informações sobre shows e turnês) e embarcou numa espécie marketing viral pela internet depois que o guru Lúcio Ribeiro reproduziu a informação no blog. Confirmado, galera! Confirmado!

Sí, pero no mucho. Hoje, o próprio Lúcio precisou dizer que a coisa não é bem assim, não é o que você está pensando. Teve que escrever que o “Indie Rock Festival pode mudar sua programação na próxima segunda-feira”. Coisa comum no mundo virtual, do show business e tudo o mais. Às vezes, é preciso dizer que as coisas mudaram.

The FutureheadsO que importa mesmo é que os únicos artistas dessa leva do IRF que confirmaram presença no Brasil são os ingleses do Futureheads. Coisa de site oficial! Alô, povão, agora é sério! A banda deve se apresentar no Rio no dia 29 de agosto e em São Paulo no dia seguinte, dentro do festival.

Já a assessoria de imprensa dos americanos do Vampire Weekend, procurada pelo Sub Som, não confirmou – nem desmentiu – a informação de que a banda poria os pés em terras tropicais. Nessa terra de ninguém-é-fonte, quem quiser pode manter as esperanças. O site da banda indica que o VW ainda não tem shows marcados perto dos dias 29 e 30 de agosto.

O mesmo vale para a superbanda canadense Broken Social Scene. O último show anunciado na atual turnê da banda acontece no dia 24 de agosto e há quem diga que a promessa de trazer os músicos é relativamente antiga – seria do começo do ano.

Resta agora saber o que vem por aí nos próximos capítulos. Quem não quiser se desiludir com reviravoltas nessa trama pode se agarrar a promessas certas – com data definida – como, por exemplo:

Conor Oberst (o Bright Eyes) toca com a Mystic Valley Band em São Paulo nos dias 16 e 17 de julho;
– o Muse se apresenta no Vivo Rio no dia 30 de julho e no dia seguinte na capital paulista;
– os franceses do Justice estarão no Rio no dia 26 de setembro e no Skol Beats, em São Paulo, no dia 27.

Veja a lista da Sub Som de shows internacionais no Brasil